Mostrando postagens com marcador historia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador historia. Mostrar todas as postagens

Conheça a história dos primeiros engenheiros negros do Brasil

Se hoje a cidade de Curitiba é a capital do estado do Paraná, tal fato se deve ao empenho e à perseverança de dois irmãos nascidos na Bahia, ambos engenheiros: Antonio e André Rebouças.
Antonio Rebouças e André Rebouças. (Imagem: Gazeta do Povo)

Os irmãos são considerados os primeiros afrodescendentes brasileiros a cursar uma universidade e os dois maiores engenheiros do Brasil no século XIX. O caminho profissional traçado por eles parece ter vindo de uma inspiração familiar. O pai deles, Antonio Pereira Rebouças, era filho de uma escrava alforriada e de um alfaiate português e foi um dos poucos advogados negros a ocupar um cargo relevante no período do Brasil Imperial. Atuou também como conselheiro de Dom Pedro II.

Em razão do fato de serem negros, eles sempre enfrentaram percalços de natureza burocrática ou preconceituosa. 

Veja tabém:

História da Engenharia!



Obras
Após concluírem a trajetória acadêmica na Europa, os irmãos se especializaram na construção de estradas. Ao desembarcar no Paraná, assumiram parte da responsabilidade de transformar uma província ainda em construção. Em 1864, uma década depois da Emancipação de São Paulo, iniciaram sua trajetória na região. O chafariz na Praça Zacarias, em Curitiba, a Estrada da Graciosa, a Ferrovia Paranaguá-Curitiba (considerada a maior obra da engenharia férrea nacional) e o Parque Nacional do Iguaçu são alguns dos legados dos engenheiros.


O jornalista e pesquisador Jorge Narozniak, no livro Histórias do Paraná (2010), escreveu que a primeira missão dos Rebouças foi comandar a construção da Estrada da Graciosa, que desde 1854 estava sendo idealizada para ligar o planalto ao Litoral Paranaense. Em 1864, Antônio foi nomeado engenheiro-chefe da Estrada e formulou o projeto do empreendimento.


A construção da estação ferroviária em Curitiba alavancou o desenvolvimento da cidade, que, até meados dos anos 80 do século XIX, não ia muito além da Rua Marechal Deodoro, então conhecida como Rua do Imperador. A nova estação, que teve a localização sugerida pela Câmara de Vereadores, fez surgir a Rua da Liberdade, posteriormente batizada como Barão do Rio Branco, cuja importância econômica só rivalizava com a Rua do Mato Grosso, atual Comendador Araújo.



A presença de dois prédios públicos na Rua da Liberdade (Palácio da Liberdade, sede do executivo estadual, e Palácio do Congresso, sede do Legislativo) emprestou à rua uma importância que se consolidaria com a inauguração, em 1912, do prédio do Paço na Praça Municipal (hoje Generoso Marques).



A região localizada atrás da Estação Ferroviária ganhou contornos industriais com a instalação de fábricas diversas. A presença de extensas vias ligando esta região à parte sul da cidade fez com que ela também ganhasse importância estratégica.


Rio de Janeiro
André realizou no Rio de Janeiro várias obras que lhe conferiram projeção como engenheiro civil, a exemplo do plano de abastecimento de água para a cidade, durante a seca de 1870, a construção das docas da Alfândega e das docas D. Pedro II. Permaneceu nessa atividade de 1866 até novembro de 1871, quando inesperadamente se demitiu.


Após a morte do irmão Antônio em 1874, muito abalado, resolveu tomar parte de sociedades empenhadas na luta contra o trabalho escravo no país. Engajado na campanha abolicionista, ao lado de Machado de Assis e Olavo Bilac, foi um dos representantes da classe média brasileira com ascendência africana e uma das vozes mais importantes em prol da abolição.


Participou da fundação de algumas dessas sociedades, tais como a Sociedade Brasileira Contra a Escravidão e a Sociedade Abolicionista, criadas juntamente com seus alunos da Escola politécnica. No ano de 1883, após viagem aos Estados Unidos e Europa retorna resolvido a dar continuidade às campanhas contra a escravidão no Brasil, já animadas pelas manifestações de rua e pelos debates parlamentares.

A abolição assinada pela Princesa Isabel acirrou os ânimos dos grandes proprietários de terras, culminando com o movimento militar de 15 de novembro de 1889 e a proclamação da República. Fiel ao Imperador D. Pedro II e ao regime monárquico, André embarcou juntamente com a família imperial no paquete Alagoas com destino ao exílio na Europa.

Inicialmente, André permaneceu em Lisboa, com intensa atividade como jornalista correspondente do “The Times” de Londres. Porém logo transferiu-se para Cannes, na França, onde ficou até a morte de D. Pedro II.

Financeiramente arruinado, aceitou emprego em Luanda, na África, por pouco tempo, mudando-se posteriormente para Funchal, na Ilha da Madeira, em meados de 1893. André jamais retornaria à Europa ou à sua terra natal. Seu precário estado de saúde e intenso abatimento pelo exílio cercou de mistério sua morte, aos 60 anos.


Você sabia?

- O Túnel Rebouças, no Rio de Janeiro, leva este nome em homenagem aos irmãos. Próximo à entrada do local, na Praça José Mariano Filho, foram construídos bustos para lembrar a contribuição dos Rebouças.


 - A administração pública de Curitiba homenageou os irmãos Rebouças batizando não só uma das ruas dessa região com o nome de Engenheiros Rebouças, mas toda a região. Hoje, o bairro Rebouças é uma das localidades mais valorizadas de Curitiba e sua importância histórica é inegável para o entendimento da dinâmica da cidade.


- Cada passo para a consolidação de Curitiba apresentou seu grau de dificuldade, mas iniciativas de engenheiros como os irmãos Rebouças foram imprescindíveis. O nome dos Rebouças sintetiza o espírito empreendedor e ousado.


- Em São Paulo existe a Av. Engenheiros Rebouças.

História da Engenharia!

Nos velhos tempos, 1325 dC para ser mais preciso, um engenheiro era definido como "um construtor de motores militares". Naquela época, a engenharia era dividida em duas categorias: Engenharia Militar e Engenharia Civil. O primeiro envolveu a construção de fortificações e motores militares; o segundo, projetos não militares, por exemplo, construção de pontes. Essa definição agora está obsoleta, pois a engenharia foi ampliada para incluir uma infinidade de disciplinas.




A origem exata da palavra "engenharia" vem da época em que os humanos se aplicavam a invenções hábeis. O homem que evoluiu ainda mais no mundo inventou dispositivos como a polia, a roda e as alavancas. O engenheiro de palavras tem sua raiz no mecanismo de palavras, que vem da palavra latina ingenium, que significa "qualidade inata particularmente do poder mental". E assim a palavra engenheiro surgiu como uma pessoa que cria invenções bacanas e práticas.

Hoje, um engenheiro é descrito como alguém que adquiriu e está aplicando seus conhecimentos científicos e técnicos para projetar, analisar e construir trabalhos úteis, úteis e funcionais. Isso envolveria estruturas, máquinas e aparelhos, processos de fabricação, bem como a previsão de seu comportamento em determinadas condições ambientais. Tudo isso é realizado com a funcionalidade, economia operacional e segurança em primeiro plano na vida e na propriedade.

A engenharia é uma disciplina ampla, com muitas subdisciplinas dedicadas a vários campos de estudo no que diz respeito a tipos específicos de tecnologias ou produtos.
Os engenheiros podem começar sua carreira sendo treinados em uma disciplina específica, mas, devido aos trabalhos de engenharia que assumem, muitas vezes se tornam multidisciplinares, tendo trabalhado em uma variedade de campos diferentes.

O campo da engenharia é tradicionalmente dividido nas seguintes categorias de trabalho de engenharia:
- Engenharia aeroespacial
- Engenheiro químico
- Engenharia Civil
- Engenharia elétrica e,
- Engenharia Mecânica.

No entanto, como a raça humana avança rapidamente no que diz respeito à tecnologia, novos ramos da engenharia estão sendo desenvolvidos. Agora, os trabalhos de engenharia também podem ser encontrados nos seguintes campos:
* Engenharia de Computação,
* Engenharia de software,
* Nanotecnologia,
* Engenharia Molecular,
* Mecatrônica e muito mais!

Embora todos esses campos possam ser definidos de maneira diferente, geralmente há uma grande sobreposição, particularmente nos campos da física, química e matemática.

Os trabalhos de engenharia geralmente envolvem a aplicação de física e matemática a problemas, a fim de descobrir soluções viáveis ​​ou fazer melhorias. Onde várias soluções diferentes estão disponíveis, os engenheiros avaliam essas opções e o resultado necessário para identificar o melhor caminho a seguir.

Imhotep, o primeiro engenheiro da história

O primeiro engenheiro civil registrado foi um egípcio conhecido como Imhotep. Acredita-se que Imhotep tenha projetado e construído a grande pirâmide de Djoser, também conhecida como pirâmide de degraus. Imhotep foi um dos oficiais do faraó Djoser e é possível que ele tenha sido a primeira pessoa a fazer uso de colunas na arquitetura. A pirâmide de degraus foi construída no Egito por volta do período de 2630 a 2611 aC e pode ser encontrada em Saqqara.

Imhotep provavelmente ficaria absolutamente fascinado com os trancos e barrancos que a engenharia deu nos últimos 4000 anos - embora ele possa ter alguns segredos para compartilhar!

Fonte: StreetDirectory

Gostou da Matéria?
Compartilhe:

Adblock Detectado

SEI QUE VOCÊ NÃO GOSTA DE PROPAGANDA, NÓS TAMBÉM NÃO

Mas essa é a maneira que encontramos de mostras as matérias gratuitamente para você.

Por favor, desabilite seu AdBlock e desfrute de todas as informaççoes do nosso site.

Muito obrigado, Blog Do Engenheiro

×